27 dezembro 2006

Continuo...

... na preparação da minha listagem!!!
Está complicado. Há demasiadas coisas que queria ver realizadas, sobretudo por mim! Não sei se consigo...

26 dezembro 2006

Findo o dia de Natal...

... é tempo de pensar no ano que se avizinha.
Caminhamos a passos largos para um 2007 que irá ser uma tremenda novidade.
O maior desejo é que seja melhor (pelo menos, menos conturbado) que o anterior, que ainda não terminou.
Tenho algumas coisas a definir para o próximo ano. Alguns objectivos, alguns planos! Muitos estão ainda no segredo dos deuses. Outros não tanto!!!
Continuo ainda à procura da melhor forma de os expressar.
Aguardo por um bom momento para me exprimir!

24 dezembro 2006

To you all...

04 dezembro 2006

Apareceste

Lá fora o vento tentava invadir-me o espírito, juntamente com os ruídos que provinham de um andar mais acima. Ruídos complexos e de invasão. Mas eu deixei-me continuar e segui andando pela casa vazia, mas cheia de mim e de tudo aquilo em que acredito.
Por momentos pensei que seria bom fazer uma espécie de revolução, mas em vão. Deixei-me continuar e segui andando pela casa vazia, mas cheia de mim e de tudo aquilo em que acredito.
Continuei pois andando e procurando encontrar um fito para a minha excessiva vontade de ter tudo nos devidos lugares e depois de ter encontrado uma solução olhei em volta e segui andando pela casa vazia, mas cheia de mim e de tudo aquilo em que acredito.
De repente o telefone tocou e eras tu!!!
Vi e revi os abraços e desejei um.
Apareceste...

28 novembro 2006

Quem não gosta de abraços?




Gente, que se despierta cuando aun es de noche
y cocina cuando cae el sol
Gente, que acompaña a gente en hospitales, parques
Gente, que despide, que recibe a gente
En los andenes
Gente que va de frente
Que no esquiva tu mirada
Y que perciben el viento
¿Cómo será el verano?
¿Cómo será el invierno?

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada siete días para darte
Un pasaje en la más bella historia de amor
Dos, tres, horas para contemplarte
Y dos de cada siete días para darte
Me acomodo en un rincón de tu corazón

Gente, que pide por la gente en los altares
En las romerías
Gente, que da la vida
Que infunde fe
Que crece y que merece paz
Gente, que se funde en un abrazo en el horror
Que comparte el oleaje de su alma
Gente que no renueva la pequeña esperanza
De un día
Vivir en paz

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada siete días para darte
Un pasaje en la más bella historia de amor
Dos, tres, horas para contemplarte
Y dos de cada siete días para darte
Te acomodo en un rincón de mi corazón

Para vivir así
En miradas transparentes
Recibir su luz
Definitivamente
Nubes van
Y van pasando
Pero aquella luz
Nos sigue iluminando

Que fresca es la sombra que ofrecen
Que limpia el agua dulce de sus miradas
Es por ti que empiezo un nuevo día
Hay Ángeles entre nosotros
Ángeles entre nosotros

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada siete días para darte
Un pasaje en la más bella historia de amor
Dos, tres, horas para contemplarte
Y dos de cada siete días para darte
Me acomodo en un rincón de tu corazón

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada siete días para darte...

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada siete días...

Dos, tres, horas para disfrutarte
Y dos de cada...

Dos, tres, horas para disfrutarte...

Dos, tres, horas

27 novembro 2006

O inverno...


O inverno está a chegar! Com ele vêm as chuvas, a neve, o frio, a escuridão!!!

Já se vêem as folhas amarelecidas e acastanhadas pelo chão, carregado de tanta manta morta...

Anoitece cedo. Tão cedo que o céu parece que tomba e persiste em tombar de tão cinzento que se apresenta. Corre a uma velocidade estonteante. Nem o mais pequeno ser se mantém perto para o ver aproximar.

Uma nuvem ao fundo parece chover...

Os rios e os lagos vão transbordando e trazem consigo a dor dos seres que lá vão ficando e manifestando a sua vontade de que chegue novamente o sol que os aquece!

17 novembro 2006

Lá fora o sol brilhava.
Aqui, uma tempestade caía sobre mim.
Como é possível que eu me sinta a pior pessoa do planeta?

14 novembro 2006

O meu avô...

Estava sentada no comboio quando de repente, numa das estações entrou um casal de velhotes que se sentaram mesmo à minha frente.
Foi impossível não reparar neles, sobretudo no senhor que, puxando cavalheirescamente as calças para cima, se sentou no lugar em frente ao meu.
Cheirava a sabonete e a água de colónia.
Não conheci nenhum dos meus avôs. Um faleceu antes sequer de eu ter sido pensada. Outro faleceu no ano em que eu nasci, mas sem nunca ter ouvido falar do futuro nascimento de um neto. Mas tenho a certeza que se algum deles existisse seria como aquele simpático velhote, de cabelos brancos, óculos de piloto escurecidos, camisa ao xadrez e calças de tecido. Teria o ar amoroso e carinhoso que aquele velhote a quem apetecia sentar ao colo tinha.
Aquela mistura de odores e aquela figura transportaram-me para a minha infância, para as minhas vivências infantis. Recordei o meu bizavô! Recordei o seu colo e os seus mimos! Recordei um dia em que corria pela casa da avó, porque estava sol lá fora e eu queria brincar na varanda. Chamei o avô. Ele dormia. Dirigi-me a ele e eis que ele apenas resposde oh minha pequenina, tu és tão linda! Nessa altura senti saudades. Dele. De ser criança. De mimos de avô...

06 novembro 2006

05 novembro 2006

Navegue

Navegue, descubra tesouros, mas não os tire do fundo do mar, o lugar deles é lá. Admire a lua, sonhe com ela, mas não queira trazê-la para a terra. Curta o sol, deixe-se acariciar por ele, mas lembre-se que o seu calor é para todos. Sonhe com as estrelas, apenas sonhe, elas só podem brilhar no céu. Não tente deter o vento, ele precisa correr por toda a parte, ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde. Não apare a chuva, ela quer cair e molhar muitos rostos, não pode molhar só o seu. As lágrimas? Não as seque, elas precisam correr na minha, na sua, em todas as faces. O sorriso! Esse, você deve segurar, não o deixe ir embora, agarre-o! Quem você ama? Guarde dentro de um porta jóias, tranque, perca a chave! Quem você ama é a maior jóia que você possui, a mais valiosa.
Não importa se a estação do ano muda, se o século vira e se o milénio é outro, se a idade aumenta; conserve a vontade de viver, não se chega a parte alguma sem ela. Abra todas as janelas que encontrar e as portas também. Persiga um sonho, mas não o deixe viver sozinho. Alimente a sua alma com amor, cure as suas feridas com carinho. Descubra-se todos os dias, deixe-se levar pelas vontades, mas não enlouqueça por elas. Procure, sempre o fim de uma história, seja ela qual for. Dê um sorriso a quem se esqueceu como se faz. Acelere seus pensamentos, mas não permita que eles o consumam. Olhe para o lado, alguém precisa de si. Abasteça o seu coração de fé, não a perca nunca. Mergulhe de cabeça nos seus desejos e satisfaça-os. Agonize de dor por um amigo, só saia dessa agonia se conseguir tirá-lo também.
Procure os seus caminhos, mas não magoe ninguém nessa procura. Arrependa-se, volte atrás, peça perdão! Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague o seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas. Se achar que precisa voltar, volte! Se perceber que precisa seguir, siga! Se estiver tudo errado, comece novamente. Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, mate-as. Se perder um amor, não se perca! Se o achar, segure-o!

“Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala. O mais é nada”.

Fernando Pessoa

04 novembro 2006

Às vezes gostava de ser gota de chuva...

Recordo a chuva...


Estou sentada no sofá a ouvir a chuva que cai lá fora.
Miro a rua molhada e as folhas que se agitam com a brisa que se mistura com as gotas de chuva.
Há umas quantas gotas que teimam em cair num qualquer objecto que emana um som metálico. Parece uma lata que se perdeu num jardim repleto de árvores e de folhas caídas.
As raízes começam agora a agradecer a chuva que cai e as alimenta, compensando o quente Verão que se fez sentir.
Há muito que não saboreava este cheiro da chuva...
Já lá vão uns meses!
Às vezes tenho saudades de ouvir a chuva na varanda fellbachiana... O tempo era tão diferente... Voava quando menos se esperava e parava quando menos era preciso...
Tudo tem um sabor diferente agora, até o tempo que não passo comigo!
Queria poder olhar para a frente e fazer exactamente o mesmo; queria poder sair à chuva sem que isso me afectasse física ou psicologicamente; queria poder sentar-me numa esplanada repleta de gente, onde reinava a paz e a traquilidade, poder escrever sem ser olhada como uma louca estranha que coitada, está sozinha!!! Queria ter o mesmo horário; queria dormir até tarde e saborear aquilo que o dia me dava...
Mas queria ter-te ao meu lado, sem pensar que teríamos de nos despedir 48horas depois, sem pensar que estaríamos os 2 meses seguintes afastados um do outro.
É tão difícil aceitar a nossa condição. É tão difícil aceitar que a vida é mesmo assim e somos nós que temos que nos sujeitar àquilo que ela nos reserva...
Quero mais!!! Muito mais...

01 novembro 2006

Your song

It's a little bit funny this feeling inside
I'm not one of those who can easily hide
I don't have much money but boy if I did
I'd buy a big house where we both could live

If I was a sculptor, but then again, no
Or a man who makes potions in a travelling show
I know it's not much but it's the best I can do
My gift is my song and this one's for you
And you can tell everybody this is your song

It may be quite simple but now that it's done
I hope you don't mind
I hope you don't mind that I put down in words
How wonderful life is while you're in the world
I sat on the roof and kicked off the moss

Well a few of the verses well they've got me quite cross
But the sun's been quite kind while I wrote this song
It's for people like you that keep it turned on
So excuse me forgetting but these things I do

You see I've forgotten if they're green or they're blue
Anyway the thing is what I really mean
Yours are the sweetest eyes I've ever seen

25 outubro 2006

Desespero...

Estou particularmente triste.
Estou particularmente cansada.
Estou farta de miúdos e de escola!
Estou farta de más educações e faltas de repeito!

24 outubro 2006

Dia das Nações Unidas

Tal como dizia o poeta: O melhor do mundo são as crianças, os brinquedos e as danças! (João de Deus)
E, sendo uma das mais importantes convenções das Nações Unidas a dos Direitos das Crianças, aqui estão eles, numa lógica infantil para poder ser percepcionada por todos!
Há que as pôr em prática, porque depois dos terrores a que se assistem diariamente, o melhor é tentar ser consciencioso e dar valor aos seres mais bonitos, que um dia serão os nossos adultos!

1 - A criança deve ter condições para desenvolver-se física, mental, moral, espiritual e socialmente com liberdade e dignidade.

2- A criança tem direito a um nome e uma nacionalidade, desde o seu nascimento.

3- A criança tem direito à alimentação, lazer, moradia e serviços médicos adequados.

4- A criança deve crescer amparada pelos pais e sob sua responsabilidade, num ambiente de afecto e de segurança.

5- A criança prejudicada física ou mentalmente deve receber tratamento, educação e cuidados especiais.

6- A criança tem direito a educação gratuita e obrigatória, ao menos nas etapas elementares.

7- A criança, em todas as circunstâncias, deve estar entre os primeiros a receber proteção e socorro.

8- A criança deve ser protegida contra toda forma de abandono e exploração. Não deverá trabalhar antes de uma idade adequada.

9- As crianças devem ser protegidas contra prática de discriminação racial, religiosa, ou de qualquer índole.

10- A criança deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade, fraternidade e paz entre os povos.

17 outubro 2006

Cidadania

Todos dão palpite, mas ninguém consegue chegar a um consenso, sobretudo no que respeita às crianças pequenas.
Aulas?!
Que dinâmicas e que técnicas?
Ninguém está preparado para uma tamanha utopia.
Vivemos num país sem rei nem roque e todos se tentam salvar da melhor maneira.
Cada vez mais concluo que anda tudo às aranhas.
O dinheiro não estica.
O trabalho não existe.
O desemprego é cada vez maior.
E a insatisfação nos postos de trabalho também.
Para onde caminhamos nós?
E ainda vêm falar de cidadania para as crianças!!!

05 outubro 2006

Peculiarmente

estou em casa sozinha!
Saiste hoje de manhã e não voltaste a casa. Regressas apenas daqui três dias. E quão estranho é saber que não estás aqui...
Sinto-me em casa, como se fosse uma parte minha, uma parte de mim mesma. Mas o facto de não estares aqui deixa-me indefinida. Apetecia-me voar... Apetecia-me sair, mas sinto-me colada ao chão... Apetecia-me o teu colo, mas estás longe...
Ainda bem que foste. Acredito que estivesses a precisar de sair daqui... Mas é tão estranho voltar a estar sozinha, num espaço que (parece que não) é meu!!!
O nó na garganta voltou a aparecer... É esquisito!
O telefone voltou a não tocar... É estranho!
As paredes não me contam histórias... É pena!
Não sei se vá ou se fique.
Só sei que estou peculiarmente sozinha. Outra vez!

24 setembro 2006

Mudei-me...

... de vez!!!

23 setembro 2006

Felicidade


do Lat. felicitate

s. f.,
ventura;
bem-estar;
contentamento;
bom resultado, bom êxito;
dita;
qualidade ou estado de quem é feliz.

E pergunto eu: que será exactamente isso?
Serei eu que estou assim quando alguma coisa corre bem? Ou quando me acontece algo fantástico? Ou... ??? Sei lá!!!

Definitivamente vou fazer aquilo que quero há um mês!
Definitivamente vou voar para outra paragem e correr o mundo.
O meu mundo, o teu mundo, o nosso mundo!
E é tão bom sentir isso, mas ao mesmo tempo é estranho! Tenho medo e tenho medo que tu tenhas medo. Mas que importa?! Se é por aí o caminho da felicidade, então vamos seguir em frente. Mas... parece que de um momento para o outro tudo me assusta. Parece que tudo aquilo em que penso "vai por água abaixo" e tenho medo que aconteça o mesmo contigo!!!

Só quero que tudo esteja em paz. Porque de facto, contigo eu tenho paz!
Quero mudar-me de vez!

19 setembro 2006

Fim-de-semana

Simplesmente... espectacular!!!

15 setembro 2006

Lonely

As pessoas

Um dia julguei que todas as pessoas eram iguais!
Um dia julguei que todas as pessoas eram feitas da mesma massa!
Mas enganei-me!
Enganei-me tanto, que ainda hoje me engano com isso.

Às vezes acredito que sou uma menina que deambula de chupa-chupa na boca a rir, passando pelos outros que também deambulam, mas com outras intenções.

Continuo a enganar-me com os outros.
Continuo a enganar-me a respeito dos outros.
Continuo a enganar-me sobre aquilo que são e que efectivamente demonstram.
Ainda assim, acredito que continuar a enganar-me até não sei onde.
Mas custa tanto perceber a maldade das pessoas. Uma maldade propositada. Uma inveja desmedida e desesperada, mas tão desnecessária.

Quantas voltas será necessário dar para que o mundo volte ao equilíbrio?

14 setembro 2006

Tu... (II)

Diz-me quem és!!!
Diz-me por onde andas!!!
Diz-me o que precisas!!!

Eu estou AQUI!!!
SEMPRE!!!

Tu...

Há uns tempos eras um piolhinho que andava de colo em colo, que corria pela casa, que dava uns guinchos curiosos, que tinhas uns caracóis lindos de morrer e um cheiro de bebé fantástico, um cheiro que ainda hoje recordo e que me dá uma nostalgia muito saborosa.


Entretanto cresceste e eis que estás mais mulher que miúda. Até pra faculdade já queres ir! Mas... eu não chego a ti! E isso é lamentável. Parecemos duas pessoas que não se conhecem e que nem sequer fazem questão de que isso aconteça, mas depois há alturas em que tudo parece perfeito e a conversa flui de forma extraordinária. Não entendo! Juro que não entendo!!!
Quando é que será que entendes de uma vez por todas que tens uma aliada e que podes contar comigo para tudo? Cresces sozinha e fazes questão disso mesmo.

Que raio de fantasmas te atormentam?

10 setembro 2006

Eis a questão!!!



Este é o símbolo mais sagrado do dharma hindu. AUM (OM) é o som do Infinito.
OM significa Eu Sou.
AUM é a essência de todos os mantras, a mais elevada das palavras divinas. Pelo som e pela forma o AUM simboliza o Infinito e o Universo inteiro.
A sustenta a CriaçãoU sustenta a PreservaçãoM sustenta a Dissolução


As três divisões do AUM representam o estado de desperto, a sonhar e a dormir profundamente.
A flor de Lotus está associada ao mantra AUM do seguinte modo:
A raiz da flor representa o elemento Terra, o som A e o nível Físico.
O caule e folhas representam a Água e o Ar, o som U e o nível Psíquico.
A flor representa o elemento Fogo, o som M e o nível Espiritual.




Talvez esta seja uma opção a tomar nesta nova fase da vida, talvez precise de meditar, de relaxar de me manter em contacto comigo mesma.
Preciso!!!

05 setembro 2006

Mais uma página...

Imensos dias se passaram!
Para ser realista e mais ou menos precisa, passaram 9162 dias de vida.
Muita coisa se viveu, muita coisa se experimentou e agora, uma nova página começa a ser descrita. É um facto que já passou mais de um mês desde que a página virou, mas não havia porquê escrever o que quer que fosse.
Os dias iam sendo saboreados ao sabor da maré e da vontade. O que foi muito bom e não me fez precisar de escrever.
Estou menos calma do que há um mês e tal atrás, mas não tenho sido capaz de controlar as minhas ansiedades e as minhas angústias, os meus medos e as minhas inseguranças.
Espero que entretanto isto mude, da mesma maneira que mudou a página.
Só precisava que a minha mudança de página fosse saboreada, vivida e partilhada da mesma maneira pelos outros. Mas como ninguém é igual a ninguém, deixo que a vida continue a correr. Melhores sabores virão. De certeza!